mynews

FÁTIMA_CENTENÁRIO DA MORTE DE JACINTA MARTO

O Santuário de Fátima vai assinalar, a partir de domingo, 16 de fevereiro, o centenário da morte da vidente Jacinta Marto, canonizada em 2017, conjuntamente com o seu irmão Francisco.

O centenário da morte de Jacinta Marto vai marcar todo o ano no Santuário de Fátima, como forma de assinalar que “a santidade não é incompatível com a infância”.

Jacinta Marto – protagonista dos acontecimentos ocorridos na Cova da Iria em 1917, com o irmão Francisco e a prima Lúcia – morreu com 9 anos no Hospital D. Estefânia, em Lisboa, em 20 de fevereiro de 1920.

Um Concerto Evocativo dos Três Pastorinhos, na Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, na tarde domingo, é a primeira iniciativa do programa das comemorações, que continuarão no dia 19, a partir das 21:30, com uma vigília de oração no Santuário.

Na quinta-feira, 20 de fevereiro, dia em que a Igreja Católica celebra a Festa Litúrgica dos Santos Francisco e Jacinta Marto, terão lugar celebrações religiosas na Capelinha das Aparições e na Basílica da Santíssima Trindade, bem como atividades com crianças.

Em Lisboa, o centenário da morte de Jacinta Marto será assinalado neste dia com uma conferência, pelas 15:00, no Hospital D. Estefânia, seguida de uma missa, também naquela unidade hospitalar, celebrada pelo cardeal patriarca de Lisboa, Manuel Clemente.

O Santuário de Fátima realça a figura de Jacinta Marto com recurso ao seu exemplo de oração e sacrifício, apesar da sua idade, “pela conversão, pela paz no mundo e pelo Santo Padre.

As comemorações do centenário da morte de Jacinta Marto inserem-se no ano pastoral do Santuário de Fátima, subordinado ao tema “Tempo de Graça e Misericórdia: dar graças por viver em Deus”.

Neste ano, o santuário mariano da Cova da Iria irá assinalar outros dois centenários: o da primeira escultura de Nossa Senhora de Fátima e o da ordenação episcopal de José Alves Correia da Silva, o primeiro bispo da então recém-restaurada diocese de Leiria.

2020-02-15

ALVAIÁZERE_MUNICÍPIO COMEMORA O DIA MUNDIAL DA PROTEÇÃO CIVIL

A Câmara Municipal de Alvaiázere prepara-se para celebrar e acolher, entre os dias 26 de fevereiro e 1 de março, o Dia Mundial da Protecção Civil.

O programa de comemorações inicia-se no dia 26 de Fevereiro, às 8:00h, com uma acção de sensibilização no âmbito da Defesa da Floresta contra Incêndios, no Mercado Municipal, seguido de um Briefing Técnico-Operacional na Biblioteca Municipal, às 11:00h.

No dia 27 de Fevereiro o programa de comemorações recomeça às 15:00h, com uma sessão de esclarecimento no âmbito da Segurança Contra Incêndios e Edifícios aplicável às Entidades Particulares de Apoio Social, que decorrerá na Casa da Cultura.

O terceiro dia de evento começa pelas 10:00h, com um simulacro na Escola Básica e Secundária Dr. Manuel Ribeiro Ferreira, seguido de uma palestra no âmbito de temáticas da Protecção Civil, às 15:00h, na Casa da Cultura. O dia termina às 19:00h, com uma sessão de esclarecimento no âmbito do programa “Aldeia Segura, Pessoas Seguras”, na Junta de Freguesia de Alvaiázere.

No sábado, dia 29 de Fevereiro, será realizado, pelas 9:00h, um exercício no âmbito do programa referido anteriormente, na Junta de Freguesia de Alvaiázere, em Pombaria – Alvaiázere. Às 15:00h, a Casa da Cultura do Município acolhe um workshop de “Língua Gestual em Contexto de Emergência”.

Por fim, no último dia o programa de comemorações do Dia Mundial da Protecção Civil, a 1 de março, terá lugar uma Cerimónia Oficial na Casa da Cultura, às 15:00h, estanto ainda por confirmar a presença de um membro do governo da República. Durante todo o dia, estará também disponível ao público uma exposição estática de meios dos vários Agentes da Protecção Civil, no Parque Multiusos, bem como de desenhos alusivos à temática da Protecção Civil, na Casa da Cultura.


2020-02-15

MÉDIO TEJO_CONSULTA ABERTA ALARGADA À UNIDADE HOSPITALAR DE TOMAR

A Consulta Aberta, implementada no Centro Hospitalar do Médio Tejo,EPE, já desde o ano de 2018, no âmbito do Plano de Contingência da Gripe, foi alargada, no presente mês de fevereiro à Unidade Hospitalar de Tomar. Uma decisão do Conselho de Administração que visa a uniformização de atendimento e recolha de dados quanto à adesão a este tipo de oferta e com vista à implementação de novas medidas para a época gripal de 2020/2021.

Seguindo o procedimento adotado na Unidade Hospitalar de Torres Novas e na Unidade Hospitalar de Abrantes, esta modalidade está em funcionamento na Unidade Hospitalar de Tomar, de segunda a sexta-feira, das 18h30 às 22h00, sendo de adesão voluntária.

Os utentes devem dirigir-se ao atendimento administrativo do Serviço de Urgências para informações e inscrição na Consulta Aberta.
Recorde-se que a Consulta Aberta destina-se a doentes presumivelmente não urgentes e que podem optar pelo atendimento através do Serviço da Urgência ou pelo recurso a esta modalidade de Consulta Aberta.

Nesta modalidade os doentes são avaliados em consulta de enfermagem e em consulta médica, tendo acesso igualmente a meios de diagnóstico (Análises, RX e outros Exames que o médico entenda serem necessários), tal qual como no Serviço de Urgência.

A Consulta Aberta é uma medida, avançada pelo Conselho de Administração, no âmbito do Plano de Contingência da Gripe, com o objetivo de descongestionar o Serviço Urgências permitindo que os médicos hospitalares, enfermeiros e outros profissionais de saúde deste Serviço fiquem mais libertos para o atendimento aos casos emergentes e urgentes.


2020-02-15

FÁTIMA_SANTUÁRIO ACOLHEU 6.3 MILÕES DE PEREGRINOS EM 2019

O Santuário de Fátima acolheu 6,3 milhões de peregrinos em 2019, revelou instituição após o encontro anual com hoteleiros.

Os dados dizem respeito às pessoas que participaram nas mais de 10 mil celebrações do programa oficial ou nas de cariz particular.

Os números, refere o santuário nacional, “confirmam a tendência para a estabilização das peregrinações à Cova da Iria” seja de forma organizada ou de maneira informal.

“Uma das primeiras conclusões a que se chega é que o número de peregrinos que diariamente chega ao Santuário e participa pelo menos numa celebração, é muito superior aquele que se regista nos serviços, embora quer num quer noutro caso apresente uma ligeira diminuição em relação ao ano de 2018, o que já era expectável, depois do ‘boom’ do centenário que chegou quase aos dois dígitos”, assinala uma nota divulgada pelos serviços de comunicação de Fátima.

Os grupos provenientes de Espanha (565), de Itália (340) e da Polónia (254) continuam a ser os mais expressivos, numericamente, mas o Santuário de Fátima destaca a presença crescente de grupos asiáticos – 476, num total de 15 102 peregrinos, ao longo de 2019.

As peregrinações internacionais de maio e outubro, bem como a Peregrinação Nacional dos Motards, em setembro, são momentos destacados pelo santuário da Cova da Iria.

Mais de 1,2 milhões dos peregrinos que estiveram em Fátima visitaram a exposição permanente Fátima Luz e Paz, no Museu do Santuário; a Casa Museu de Aljustrel; as casas onde nasceram Francisco e Jacinta Marto e Lúcia de Jesus e, ainda, a exposição temporária Capela Múndi, que evocou o centenário da construção da Capelinha das Aparições.

A Capelinha das Aparições, juntamente com o Recinto de Oração e as Basílicas continuam a ser os locais mais visitados pelo maior número de peregrinos.



2020-02-15

OURÉM_ADIADO INÍCIO DE JULGAMENTO DE HOMEM QUE ATROPELOU TRÊS CRIANÇAS EM 2015

O Tribunal de Santarém adiou hoje o início do julgamento do homem acusado de, em 2015, ter atropelado três crianças e de ter fugido do local do acidente, em Atouguia, concelho de Ourém, aguardando o resultado de uma perícia.

O arguido e a companhia de seguros pediram uma perícia para avaliar as sequelas que permanecem nos jovens passados cinco anos sobre o acidente, tendo o colectivo de juízes do Tribunal de Santarém decidido aguardar pelo relatório pericial antes de marcar nova data.

O arguido, actualmente com 55 anos, é acusado pelo Ministério Público (MP) da prática de três crimes de ofensa à integridade física por negligência e de um crime de omissão de auxílio.

Segundo a acusação, consultada pela Lusa, na tarde de 16 de Agosto de 2015, o homem, que conduzia uma viatura ligeira de mercadorias na estrada entre Alvega e Atouguia, já no perímetro desta localidade, onde a velocidade máxima permitida é de 50 quilómetros/hora, ao descrever uma curva acentuada, foi embater nos jovens, à data com 12, 13 e 14 anos, que circulavam de bicicleta em sentido contrário.

Dois dos jovens foram projectados para cima do veículo, estilhaçando o para-brisas e caindo inanimados no solo, enquanto o terceiro, que ia à boleia numa das bicicletas, foi projectado para o chão, ficando a queixar-se da perna, afirma.

“Apesar das colisões, o arguido não parou e abandonou o local sem que tivesse verificado o estado em que as crianças ficaram, tendo continuado a sua marcha em direcção a Atouguia”, estacionou o veículo na sede da empresa para a qual trabalhava e permaneceu junto a um ribeiro até às 07:00 do dia seguinte, quando se apresentou à GNR, afirma o despacho de acusação.

Assistidos no local pelo INEM, dois dos menores foram transportados para o Hospital Pediátrico de Coimbra e outro para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa.

Este ficou com lesões na face e no braço e na perna direitos, apresentando, a nível psicológico, dificuldades de atenção, concentração e memória e sintomatologia depressiva, entre outros, mantendo ainda consultas anuais de acompanhamento no Hospital de Santa Maria.

Um dos jovens que ficou inanimado no acidente sofreu lesões na cabeça, no braço esquerdo e nas duas pernas, tendo ficado a coxear e com “alterações cognitivas permanentes, com consequência no aproveitamento escolar”, ansiedade, tensão e insegurança, o que determinou uma desvalorização de 15 pontos de capacidade e a recomendação de seguimento psiquiátrico.

O terceiro, o mais novo, sofreu lesões na cabeça, nos braços e nas pernas, de que ficaram cicatrizes e sequelas de fractura óssea, mas que “não afectam a capacidade de usar o corpo e de trabalho”.

Para o MP, a perda de controlo do veículo, invadindo parte da faixa contrária ao seu sentido de marcha e ferindo os adolescentes, ocorreu por falta de atenção, por velocidade desadequada e por o arguido ter ingerido bebidas alcoólicas, com a agravante de ter visto uma menina que seguia à frente do grupo a fazer sinal, tentando avisar da aproximação da viatura.

“Apesar de ser notório que as crianças estariam em risco de vida, ou, pelo menos, com lesões físicas graves, e que necessitavam de cuidados médicos emergentes devido à sua conduta, o arguido, agindo de modo livre, deliberado e consciente, desinteressou-se pela situação e seguiu a sua marcha sem parar, sem prestar socorro, sem providenciar pelo chamamento de auxílio médico ou verificar se alguém o fazia, deixando os assistentes caídos no chão, a sangrar, com nítidos sinais de lesões graves, indiferente ao que aconteceria com estes”, afirma o MP.

2020-02-03

CONSTÂNCIA_SURTO DE GRIPE A CAUSA ALARME SOCIAL

Um surto de gripe A está a afetar várias crianças nas escolas de Constância (Santarém), uma situação que está a causar algum alarme social, mas que as autoridades de saúde já desvalorizaram, afirmando tratar-se de um surto gripal.

"As crianças cujas análises detetaram o vírus influenza e, eventualmente o H1N1, e que estão afetadas pela gripe A, mais não mostram que estão com gripe, sendo que as pessoas estão alarmadas porque associam a agressividade do vírus ao período de 2009, o que hoje já não sucede, provocando apenas gripe", disse à Lusa a coordenadora da Unidade de Saúde Pública (USP) do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Médio Tejo.

Questionada sobre o número de casos nas escolas daquele município, Maria dos Anjos Esperança disse ter recebido informação de "nove crianças em falta na creche da Santa Casa da Misericórdia e quatro casos no Agrupamento de Escolas", tendo feito notar que a gripe, "sendo contagiosa, torna-se mais fácil de propagar em ambientes fechados e com muitas crianças", como é o caso das escolas.

"Não há razão para alarmismos nem necessidade de medidas extras ou de isolamento, basta que as crianças com gripe fiquem em casa e sigam o tratamento sintomático, e que nas escolas sigam os procedimentos preventivos habituais, como seja a lavagem correta das mãos ou uso de soluções alcoólicas, tossir ou espirrar para o braço e não para as mãos, usar uma única vez o lenço de papel e ter os espaços sempre limpos e arejados", afirmou.

Contactada pela Lusa, a diretora do Agrupamento de Escolas de Constância (AEC), Olga Antunes, disse ter "quatro casos confirmados pelos próprios pais" de crianças afetadas pela Gripe A com idades diversas - "desde o Jardim de Infância, ao 1º ciclo e ao ensino secundário" -, e que "estão em casa em tratamento normal" para uma gripe.

Olga Antunes disse que "alguns pais defendem o encerramento das escolas por precaução" e que "outros estão a optar por ter os filhos em casa", acrescentando que as autoridades de saúde consideram "não haver razão para alarmismos nem necessidade de pôr a escola de quarentena".

Nesse sentido, as escolas estão a funcionar, tendo a diretora do Agrupamento optado por aplicar as medidas preventivas comuns aos períodos de surto de gripe sugeridas pela Unidade de Saúde Pública, como sejam a "higiene das mãos, etiqueta respiratória e arejamento dos espaços comuns".

O AEC publicou um comunicado onde divulga informação da Direção Geral de Saúde sobre a gripe A, frisando que passou a ser "uma gripe sazonal sem nenhuma especificidade".

Segundo a nota informativa, "a designação ‘Gripe A’ apenas foi aplicada em 2009/2010, não estando atualmente em vigor, pois a partir dessa data, a circulação do vírus do subtipo A(H1N1)pdm09 tornou-se natural, passando a ser uma gripe sazonal sem nenhuma especificidade, nomeadamente no que respeita a cuidados especiais de isolamento com doentes/contactos".

Contactado pela Lusa, o presidente da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento Vertical de Escolas (APEAVEC) de Constância disse que “a APEAVEC está de acordo com as medidas e precauções tomada pela direção do agrupamento de escolas.

"O surto da gripe A não tem hoje a dimensão de 2009 e não requer tantas preocupações para a tomada de medidas que alguns pais estão a tomar ou reivindicar, pelo que entendemos que a escola tomou as medidas necessárias em termos de procedimentos e também ao nível de higiene e limpeza", conclui Joaquim Pincante.


2020-02-03

MÉDIO TEJO_MINISTRA ALEXANDRA LEITÃO ESCLARECE AUTARCAS DA CIM SOBRE DESCENTRALIZAÇÃO DE COMPETÊNCIAS

Os autarcas da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo, estiveram reunidos com a ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão e com o secretário de estado da Descentralização e da Administração Local, Jorge Botelho, para esclarecerem dúvidas e proferirem comentários sobre o processo de descentralização de competências aos organismos da administração local.

No rescaldo desta reunião a presidente da CIM do Médio Tejo Anabela Freitas, referiu que “os envelopes financeiros são efetivamente importantes, mas o mais importante é desbravar algum caminho junto das estruturas intermédias”.

Anabela Freitas recordou que “foram criadas comissões de acompanhamento” para cada área a descentralizar e que essas reuniões “estão a correr bem”.

Citada numa nota de imprensa, refere ainda haver um conjunto de competências para aceitar em 2020 e estarem prontos para em 2021 terem a totalidade das competências.

Para a presidente da CIM do Médio Tejo, este é um processo importante para o cidadão comum “para que os seus problemas sejam resolvidos na hora e “é um caminho para a regionalização”.

Após a reunião com os autarcas do Médio Tejo, Alexandra Leitão fez um balanço muito positivo da sessão, dando conta que foi uma “reunião muito proveitosa e que correu francamente bem”.

“Há algumas dúvidas quanto a questões concretas, mas o que se retirou daqui hoje é de que a descentralização é o caminho e que os autarcas estão, de modo geral, alinhados com o processo”, disse.

“A vontade do Governo é que se mantenham os prazos que estão referidos no diploma e vamos trabalhar muito, sobretudo com as autarquias”, salientou a ministra.

Recorde-se que a ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública iniciou este mês o Roteiro para a Descentralização, acompanhada do secretário de Estado Jorge Botelho, num périplo para recolher dúvidas, sugestões, críticas e dificuldades sentidas, que vai decorrer até à segunda semana de fevereiro.


2020-01-30

LEIRIA_LEIRIA ASSUME-SE COMO A MAIS BEM PREPARADA PARA CAPITAL EUROPEIA DA CULTURA

Leiria é a candidatura “mais preparada” de entre as cidades portuguesas que querem ser Capital Europeia da Cultura (CEC) em 2027, defende o presidente do município.

A ambição surgiu em 2015 e ganhou corpo, envolvendo, a partir de 2018, 26 municípios das comunidades intermunicipais de Leiria, Oeste e Médio Tejo, “aproximadamente 700 mil pessoas”, sublinha Gonçalo Lopes.

A candidatura avançou como consequência da “projecção cultural extremamente grande [da cidade] nos últimos anos”, que gerou “na comunidade cultural, mas também na associativa e política”, a “ambição de tornar a cultura num fator de distinção do território”.

A criação de um novo território é aspecto chave da proposta de Leiria, sublinha o coordenador executivo da candidatura.

“É muito positivo ver 26 presidentes de diferentes partidos, com diferentes históricos, que estão sentados à mesma mesa com uma vontade de colocar a cultura como motor dos seus territórios. Tem sido o dado mais significativo”, diz à agência Lusa Paulo Lameiro.

Os 26 municípios estão a constituir uma cooperativa, com capital social “superior a meio milhão de euros”, garantindo que, com ou sem CEC, “ter-se-á um veículo que aposta na cultura por um tempo indeterminado”, realça o presidente da Câmara de Leiria.

“Há um sinal claro que não é só um momento em que estamos interessados. Estes municípios querem mesmo apostar na cultura como factor de atracção”, acrescenta Gonçalo Lopes, algo que Paulo Lameiro considera “mais importante que o título”.

Com 1.500 agentes culturais e 500 “embaixadores” registados na plataforma criada pela Rede Cultura 2027, entidade que prepara o projecto, em 2020 a candidatura está a abrir-se à comunidade, “porque este tem de ser um processo com todas as pessoas, não somente com os agentes culturais e agentes políticos”, afirma o coordenador.

Gonçalo Lopes não duvida que “Leiria é a candidatura mais preparada”.

“Começou mais cedo, tem muitas horas de trabalho. Tem equipas profissionais a trabalhar este tema nos últimos dois anos de maneira intensa. Há um investimento brutal no planeamento que irá produzir resultados. Tanto que se conseguiu unir um território de aproximadamente 700 mil pessoas”.

Para o autarca, “nenhuma das outras candidaturas” é comparável à dimensão populacional e territorial da Rede Cultura 2027, equiparável à União Europeia pelo sentido de “cidadania” e “coesão”.

“Temos cidades grandes como Leiria ou concelhos com dois mil ou três mil habitantes, como é o caso dos concelhos fustigados pelos incêndios de 2017. Esta heterogeneidade é um pouco parecida com o que acontece na Europa”, acrescentou.

O pós-2027 está sempre presente nas reflexões de Paulo Lameiro, que diz ser “impossível” prever os efeitos de uma eventual atribuição da CEC em Leiria.

“As transformações sociais, laborais, políticas e económicas são tão surpreendentes e tão inesperadamente rápidas que temos de estar preparados para o inesperado”, afirmou

Mas o coordenador assume que o processo é, por si só, revolucionário.

“Todas as cidades têm de desenvolver um plano estratégico municipal para a cultura. Isso está a acontecer em todas. Ou seja, não seria feito se não houvesse esta candidatura. Obrigado Bruxelas, obrigado comunidade europeia que, ao menos, contribui para que nós façamos o que deveríamos fazer mesmo que não houvesse uma candidatura”, disse Paulo Lameiro.

Portugal vai acolher em 2027 a Capital Europeia da Cultura, juntamente com uma cidade da Letónia.

Os dois países seleccionados são responsáveis pela organização do concurso entre as suas cidades, devendo para isso publicar um convite à apresentação de candidaturas com seis anos de antecedência.

Após a apresentação de candidaturas, que devem focar-se na criação de um programa cultural com dimensão europeia, caberá a cada Estado-membro convocar um júri para uma pré-selecção das cidades candidatas, isto até cinco anos antes.

Além de Leiria, já anunciaram que vão apresentar uma candidatura as cidades de Aveiro, Faro, Viana do Castelo, Coimbra, Évora, Braga, Guarda e Oeiras.

A decisão final será dos países, devendo ser tomada até quatro anos antes do título.

Portugal já recebeu a Capital Europeia da Cultura em três ocasiões: 1994 (Lisboa), 2001 (Porto) e 2012 (Guimarães).



2020-01-30

MÉDIO TEJO_AUTARCAS INICIAM ESTUDOS SOBRE AERÓDROMO DE TANCOS

O Conselho Intermunicipal da CIM do Médio Tejo aprovou, no dia 28 de janeiro, proceder ao início de um procedimento para um estudo técnico, que permita fazer uma primeira avaliação sobre a viabilidade do aproveitamento do Aeródromo de Tancos para a implementação de um aeroporto regional.

O objetivo da CIM do Médio Tejo é desenvolver, em estreita colaboração com a Instituição Militar, um conjunto de trabalhos e estudos preparatórios que permitam conhecer e avaliar as mais-valias de um eventual aproveitamento do Aeródromo de Tancos para a implementação de um aeroporto regional, como porta de entrada na região através do meio aéreo.

Para além da realização do estudo, que prevê avaliar a procura, a concorrência, as características técnicas e os custos alocados à construção de um aeroporto regional, os autarcas da CIM do Médio Tejo já solicitaram um conjunto de reuniões com os Ministros da Defesa e das Infraestruturas e irão proceder à realização de debates públicos sobre o assunto.

O primeiro debate já tem data marcada. Acontecerá dia 5 de fevereiro, às 21h00, no Centro Cultural de Vila Nova da Barquinha e “o objetivo é envolver os empresários, as CIM`s e os cidadãos nesta causa, que defende a construção do aeroporto em Tancos”, refere Anabela Freitas, presidente da CIM do Médio Tejo.

“Não estamos a competir com ninguém, o que entendemos é que temos uma centralidade, que não é só nacional, é também ibérica e estamos muito bem servidos por redes rodoviárias e ferroviárias, estando assim reunidas todas as condições para acolher uma infraestrutura deste género”, salienta a presidente.

Já no dia 16 de janeiro, reunidos em Conselho Intermunicipal, os autarcas deliberaram solicitar uma reunião, com carácter de urgência, ao Ministro das Infraestruturas e da Habitação, reiterando uma posição assumida anteriormente.

Com estas reuniões, os autarcas do Médio Tejo querem obter uma definição política clara e objetiva sobre o aeródromo de Tancos, uma infraestrutura aeronáutica essencial para a região do Médio Tejo e para o interior, refere a cim numa nota de imprensa.




2020-01-30

ALVAIÁZERE_LOJA DO CIDADÃO ABRE DIA 3 DE FEVEREIRO

A Loja do Cidadão de Alvaiázere abre ao público no próximo dia 3 de fevereiro.

A obra promovida pela Câmara Municipal está instalada no rés-do-chão do edifício do tribunal, tem um custo total de cerca de €512.000,00, dos quais €300.000,00 são financiados, a fundo perdido, por fundos comunitários.

Numa nota de imprensa o Município explica que com este equipamento moderno, se pretende proporcionar maior conforto, principalmente facilitar o acesso dos munícipes e das empresas aos serviços públicos, oferecendo a possibilidade de, no mesmo local, se poder tratar de vários assuntos, sem necessidade de perder tempo em deslocações, de “saltar” de edifício em edifício, com todas as vantagens que desse facto advém, pretendendo inscrever um novo capítulo na relação do estado com os cidadãos, no concelho de Alvaiázere.

A Loja do Cidadão de Alvaiázere vai acolher os serviços da Autoridade Tributária, do Instituto dos Registos e Notariado, do Município de Alvaiázere (com o respetivo Espaço do Cidadão) e da Segurança Social.

No que respeita à autarquia, o serviço de atendimento geral do Município de Alvaiázere passará a funcionar apenas na Loja do Cidadão, todos os dias úteis, entre as 09:00 e as 17:30, sem interrupção para almoço. Também o atendimento do serviço de obras do Município funcionará apenas na Loja do Cidadão, às sextas-feiras à tarde, entre as 14:00 e as 17:30.

No edifício da Câmara Municipal continuarão a funcionar, diariamente, os restantes serviços de atendimento técnico especializado, nomeadamente, da ação social, do gabinete de apoio ao emigrante, do gabinete de apoio às empresas, do serviço de educação, do associativismo, de turismo, dos serviços financeiros e da proteção civil. O atendimento do gabinete técnico florestal decorrerá, também, no edifício da Câmara Municipal, às quartas-feiras entre as 09:00 e as 12:30, sendo que o atendimento da Presidência mantém a mesma calendarização e local, às quartas-feiras de manhã e às quintas-feiras à tarde.

2020-01-29

FÁTIMA_SANTUÁRIO VAI PROMOVER 42ºENCONTRO DE HOTELEIROS E RESPONSÁVEIS DE CASAS RELIGIOSAS QUE ACOLHEM PEREGRINOS

O Santuário de Fátima vai promover no próximo dia 06 de fevereiro, o 42º Encontro de Hoteleiros e responsáveis de Casas Religiosas que Acolhem Peregrinos em Fátima.

O evento começa com uma celebração, na Capela da Morte de Jesus, pelas 16h30.

Pelas 17h45, no Salão do Bom Pastor, no Centro Pastoral de Paulo VI, haverá uma saudação e a apresentação do tema do Ano Pastoral 2019-2020, “Tempo de Graça e Misericórdia: dar graças por viver em Deus”, o último do primeiro ciclo pós -centenário das Aparições. Em seguida, a Vice-Postuladora da Causa de Beatificação da Ir.ª Lúcia, a Ir.ª Ângela Coelho, falará sobre o Centenário da morte de Santa Jacinta, que se assinala este ano. Neste encontro serão ainda apresentadas as Estatísticas referentes ao ano de 2019.

Em 2019, este encontro contou com cerca de 140 participantes.


2020-01-29

OURÉM- “ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL E ECONÓMICA” NO MUNICÍPIO DE OURÉM

O Município de Ourém vai promover um workshop sobre “Alimentação Saudável e Económica” no próximo dia 28 de fevereiro, pelas 19h30, no Centro Comunitário de Voluntariado. A iniciativa, dinamizada pela nutricionista do Centro Local para o Sucesso Educativo do Município de Ourém, insere-se no Plano Estratégico de Desenvolvimento Intermunicipal de Educação do Médio Tejo e é destinada à comunidade em geral.

O workshop “Alimentação Saudável e Económica” tem como objetivos sensibilizar a comunidade para a importância de uma alimentação saudável, para o reaproveitamento dos alimentos, para doenças que possam surgir como consequência de uma alimentação desequilibrada e fornecer exemplos práticos de receitas saudáveis e económicas.

As inscrições no workshop ““Alimentação Saudável e Económica” são limitadas e estão disponíveis até 25 de fevereiro por contacto telefónico (249 540 900 – 6532) ou através do email ana.s.alves@cm.ourem.pt.

2020-01-29

LEIRIA_CENTRO HOSPITALAR QUER MELHORAR QUALIDADE ASSISTENCIAL

Licínio de Carvalho, que foi reconduzido como presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar de Leiria (CHL) para o triénio 2020/2022, tem como uma das prioridades melhorar a qualidade assistencial.

“Os principais objectivos para o triénio passam por concretizar o Plano Estratégico do CHL, melhorando o acesso aos cuidados de saúde, criando condições de trabalho e de atendimento compatíveis com os melhores padrões de conforto e qualidade assistenciais, num quadro de crescimento que queremos manter, de forma sustentada e alinhada com a missão importante que cumpre ao CHL”, adiantou agência Lusa Licínio de Carvalho.

Licínio de Carvalho assumiu a presidência depois da renúncia de Helder Roque ao cargo há cerca de seis meses. O responsável admite que a recondução no cargo é um voto de confiança da tutela.

Da equipa anterior, entraram dois novos vogais executivos: Salvato Feijó, director do Serviço de Pneumologia, que irá assumir a função de director clínico, e Inês Carlos.

“A equipa foi reformulada e só penso em ganhar com a entrada dos novos elementos e com a equipa no seu todo, no sentido de corresponder às expectativas que o Conselho de Administração se vai esforçar por responder da melhor forma possível”, afirmou Licínio de Carvalho.

Transitam da anterior equipa Emília Fael, com funções de enfermeira directora, e Alexandra Borges, vogal executiva.

Do Plano Estratégico do CHL fazem parte um conjunto de investimentos de 5,2 milhões de euros para 2020, que serão alocados a um conjunto de obras nas três unidades de saúde que integram o CHL: Hospital de Santo André, em Leiria, Hospital Bernardino Lopes de Oliveira, em Alcobaça, e Hospital de Pombal.

No plano de investimentos para este ano está contemplada a construção da Unidade de Internamento de Cuidados Paliativos no Hospital de Alcobaça, com o valor de 606 mil euros.

Em Leiria, prevêem-se obras para a alteração do Bloco Operatório, num investimento de 464 mil euros para 2020, a que acresce o mesmo valor em 2021.

Nesta unidade de saúde estão projectadas ainda intervenções na reabilitação estrutural do Serviço de Medicina Física e de Reabilitação, estimadas em 474 mil euros (acresce 474 mil euros para 2021), a reorganização estrutural do Serviço de Pediatria, com um custo previsto de 369 mil euros, a remodelação e ampliação do Serviço de Urgência Geral, orçado em cerca de 336 mil euros (acresce 336 mil euros para 2021), a remodelação e ampliação do Hospital de Dia, com o valor de 252 mil euros, e a ampliação da Unidade de Ambulatório de Pneumologia, orçada em 217 mil euros.

No Hospital de Pombal está prevista a construção da Unidade de Internamento de Cuidados de Convalescença, num investimento de cerca de 400 mil euros (acresce 400 mil euros para 2021).

Ao nível da aquisição de equipamentos, o plano prevê o reforço de apetrechamento do Serviço de Imagiologia do HSA, com a compra de um angiógrafo, estimado em 861 mil euros, a aquisição de duas salas de raio-X, orçada em 307 mil euros (acresce 307 mil euros para 2021) e a aquisição de um ecógrafo, estimado em 98 mil euros.

Estão também contemplados a aquisição de equipamento médico-cirúrgico, orçado em 370 mil euros, a compra de equipamento informático, estimado em 100 mil euros, e de um Arco em C portátil com intensificador de imagem para o Bloco Operatório do HSA, com o valor de cerca de 100 mil euros.

2020-01-29

ABRANTES_LAR ONDE OCORREU INCÊNDIO NÃO ESTÁ LICENCIADO

O lar de idosos em Rossio ao Sul do Tejo, em Abrantes (Santarém), onde ontem ocorreu um incêndio, não está licenciado, estando o Instituto da Segurança Social a avaliar as condições de funcionamento para “o apuramento de responsabilidades”.

Em resposta à Lusa, a Segurança Social afirma que no equipamento, que desenvolvia a resposta social Estrutura Residencial para Pessoas Idosas, estavam 19 utentes, tendo três deles sido “encaminhados para vagas em equipamentos sociais com acordo de cooperação, nove foram acolhidas pelas respetivas famílias e sete encontram-se hospitalizados”.

Segundo a diretora do serviço de urgência do Hospital de Abrantes, unidade do Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT), dos sete idosos hospitalizados, seis são considerados graves, tendo três deles sido transferidos para os hospitais de São Francisco Xavier e de São José, em Lisboa, e São João, no Porto, sendo estas as “situações que inspiram mais cuidados".

"Dos sete feridos que deram entrada no hospital de Abrantes, seis são considerados graves, sendo três deles por queimaduras e outros três por inalação de monóxido de carbono”, afirmou.

Uma idosa, com 79 anos, "apresenta um quadro clínico muito grave com 65% a 70% do corpo com queimaduras de 2.º e 3.º grau", tendo sido transportada de helicóptero para a unidade de queimados do hospital de São José, em Lisboa, disse Ana Rita Cardoso.

Outros dois idosos, com 78 e 82 anos, foram também transferidos para as unidades hospitalares de São Francisco Xavier e São João, um de helicóptero e o outro de ambulância de Suporte Imediato de Vida (SIV), com "queimaduras nas vias áreas".

Os restantes quatro idosos, todos com idades entre os 75 e os 89 anos, "estão estabilizados e em observação e vigilância" no serviço de urgência da unidade hospitalar de Abrantes, acrescentou.

O Instituto da Segurança Social adiantou que as equipas técnicas do Centro Distrital de Santarém deslocaram-se de imediato ao local “para desencadear os mecanismos necessários para o encaminhamento dos idosos para respostas sociais alternativas condignas”.


2020-01-28

ABRANTES_TRÊS IDOSOS FERIDOS EM INCÊNDIO NUM LAR DE ABRANTES TRANSFERIDOS PARA LISBOA E PORTO

Três dos sete idosos que ficaram hoje feridos com gravidade num incêndio num lar em Rossio ao Sul do Tejo, Abrantes, foram transferidos para unidades hospitalares em Lisboa e Porto, disse fonte do Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT).

"Dos sete feridos que deram entrada no hospital de Abrantes, seis são considerados graves, sendo três deles por queimaduras e outros três por inalação de monóxido de carbono”, disse à Lusa a diretora do serviço de urgência do hospital de Abrantes, no distrito de Santarém.

Segundo Ana Rita Cardoso, três feridos graves tiveram de ser transferidos para os hospitais de São Francisco Xavier (Lisboa), São José (Lisboa) e São João (Porto), sendo estas as “situações que inspiram mais cuidados".

A diretora do serviço de urgência do hospital de Abrantes acrescentou que uma idosa, com 79 anos, "apresenta um quadro clínico muito grave com 65% a 70% do corpo com queimaduras de 2º e 3º grau", tendo sido transportada de helicóptero para a unidade de queimados do hospital de São José, em Lisboa.

Segundo aquela responsável, dois idosos, com 78 e 82 anos, foram também transferidos para as unidades hospitalares de São Francisco Xavier e São João, um de helicóptero e um outro de ambulância de Suporte Imediato de Vida (SIV), com "queimaduras nas vias áreas".

Os restantes quatro idosos, todos com idades entre os 75 e os 89 anos, "estão estabilizados e em observação e vigilância" no serviço de urgência da unidade hospitalar de Abrantes.

Um incêndio num lar de idosos em Rossio ao Sul do Tejo, em Abrantes, provocou hoje de manhã ferimentos em 18 utentes daquela instituição privada.

O alerta para o incêndio, de causas ainda em investigação, foi dado às 10:27.

Na ocasião, o edifício de piso térreo albergava 18 idosos e três funcionários.

Sete idosos foram transportados ao hospital e 11 utentes foram assistidos no local, devido à inalação de fumos.

Nas operações de socorro estiveram 33 operacionais e 13 viaturas dos bombeiros, uma ambulância de suporte imediato de vida (SIV) de Torres Novas, uma viatura médica de emergência e reanimação (VMER) do Hospital de Abrantes, um helicóptero do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e autoridades policiais.

O incêndio foi combatido pelos bombeiros de Abrantes, Vila Nova da Barquinha, Constância, Entroncamento e Sardoal.


2020-01-27

LEIRIA_CENTRO HOSPITALAR QUER MELHORAR QUALIDADE ASSISTENCIAL

Licínio de Carvalho, que foi reconduzido como presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar de Leiria (CHL) para o triénio 2020/2022, tem como uma das prioridades melhorar a qualidade assistencial.

“Os principais objectivos para o triénio passam por concretizar o Plano Estratégico do CHL, melhorando o acesso aos cuidados de saúde, criando condições de trabalho e de atendimento compatíveis com os melhores padrões de conforto e qualidade assistenciais, num quadro de crescimento que queremos manter, de forma sustentada e alinhada com a missão importante que cumpre ao CHL”, adiantou agência Lusa Licínio de Carvalho.

Licínio de Carvalho assumiu a presidência depois da renúncia de Helder Roque ao cargo há cerca de seis meses. O responsável admite que a recondução no cargo é um voto de confiança da tutela.

Da equipa anterior, entraram dois novos vogais executivos: Salvato Feijó, director do Serviço de Pneumologia, que irá assumir a função de director clínico, e Inês Carlos.

“A equipa foi reformulada e só penso em ganhar com a entrada dos novos elementos e com a equipa no seu todo, no sentido de corresponder às expectativas que o Conselho de Administração se vai esforçar por responder da melhor forma possível”, afirmou Licínio de Carvalho.

Transitam da anterior equipa Emília Fael, com funções de enfermeira directora, e Alexandra Borges, vogal executiva.

Do Plano Estratégico do CHL fazem parte um conjunto de investimentos de 5,2 milhões de euros para 2020, que serão alocados a um conjunto de obras nas três unidades de saúde que integram o CHL: Hospital de Santo André, em Leiria, Hospital Bernardino Lopes de Oliveira, em Alcobaça, e Hospital de Pombal.

No plano de investimentos para este ano está contemplada a construção da Unidade de Internamento de Cuidados Paliativos no Hospital de Alcobaça, com o valor de 606 mil euros.

Em Leiria, prevêem-se obras para a alteração do Bloco Operatório, num investimento de 464 mil euros para 2020, a que acresce o mesmo valor em 2021.

Nesta unidade de saúde estão projectadas ainda intervenções na reabilitação estrutural do Serviço de Medicina Física e de Reabilitação, estimadas em 474 mil euros (acresce 474 mil euros para 2021), a reorganização estrutural do Serviço de Pediatria, com um custo previsto de 369 mil euros, a remodelação e ampliação do Serviço de Urgência Geral, orçado em cerca de 336 mil euros (acresce 336 mil euros para 2021), a remodelação e ampliação do Hospital de Dia, com o valor de 252 mil euros, e a ampliação da Unidade de Ambulatório de Pneumologia, orçada em 217 mil euros.

No Hospital de Pombal está prevista a construção da Unidade de Internamento de Cuidados de Convalescença, num investimento de cerca de 400 mil euros (acresce 400 mil euros para 2021).

Ao nível da aquisição de equipamentos, o plano prevê o reforço de apetrechamento do Serviço de Imagiologia do HSA, com a compra de um angiógrafo, estimado em 861 mil euros, a aquisição de duas salas de raio-X, orçada em 307 mil euros (acresce 307 mil euros para 2021) e a aquisição de um ecógrafo, estimado em 98 mil euros.

Estão também contemplados a aquisição de equipamento médico-cirúrgico, orçado em 370 mil euros, a compra de equipamento informático, estimado em 100 mil euros, e de um Arco em C portátil com intensificador de imagem para o Bloco Operatório do HSA, com o valor de cerca de 100 mil euros.

2020-01-27

LEIRIA_ANTIGA PRESIDENTE DA CÂMARA VAI PRESIDIR À CCDR CENTRO

A antiga presidente do município de Leiria Isabel Damasceno foi nomeada presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), em regime de substituição.

O despacho da ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, que ocupava o cargo de presidente da CCDRC antes de ir para o Governo, publicado na segunda-feira em Diário da República, refere que “a presente designação fundamenta-se na reconhecida aptidão, competência técnica e experiência e formação profissional da designada”.

Desde a saída da actual ministra Ana Abrunhosa que o cargo de presidente se encontrava vago, pelo que a legislação prevê “a possibilidade de os cargos dirigentes poderem ser exercidos em regime de substituição em caso de vacatura do lugar pelo período de noventa dias ou até à designação de novo titular”, através de um processo concursal.

Licenciada em Economia pela Universidade de Coimbra, Isabel Damasceno, de 63 anos, era desde Fevereiro de 2010 vogal executiva do
Programa Operacional Regional do Centro – Mais Centro.

Entre 1998-2009 esteve como presidente da Câmara Municipal de Leiria, eleita pelo PSD, e, entre 2002-2009, exerceu a vice-presidência do Conselho Directivo da ANMP – Associação Nacional de Municípios Portugueses.

2020-01-22

LEIRIA_CENTRO HOSPITALAR INVESTE NOS CUIDADOS PALIATIVOS E BLOCO OPERATÓRIO

O Centro Hospitalar de Leiria vai investir mais de um milhão de euros na construção da Unidade de Internamento de Cuidados Paliativos, em Alcobaça, e na alteração do Bloco Operatório, em Leiria, anunciou hoje a instituição.

O plano de investimentos do Centro Hospitalar de Leiria, que integra os hospitais de Alcobaça, Leiria e Pombal, conta com um investimento de 5.2 milhões de euros para 2020, que serão alocados a um conjunto de obras nestas três unidades de saúde.

Na proposta, que hoje foi apresentada aos deputados do PS na Assembleia da República eleitos pelo círculo de Leiria, está contemplada a construção da Unidade de Internamento de Cuidados Paliativos no Hospital de Alcobaça, com o valor de 606 mil euros.

No Hospital de Santo André (HSA), em Leiria, prevêem-se obras para a alteração do Bloco Operatório, num investimento de 464 mil euros para 2020, a que acresce o mesmo valor em 2021.

Nesta unidade de saúde estão projectadas ainda intervenções na reabilitação estrutural do Serviço de Medicina Física e de Reabilitação, estimadas em 474 mil euros (acresce 474 mil euros para 2021), a reorganização estrutural do Serviço de Pediatria, com um custo previsto de 369 mil euros, a remodelação e ampliação do Serviço de Urgência Geral, orçado em cerca de 336 mil euros (acresce 336 mil euros para 2021), a remodelação e ampliação do Hospital de Dia, com o valor de 252 mil euros e a a ampliação da Unidade de Ambulatório de Pneumologia, orçada em 217 mil euros.

No Hospital de Pombal está prevista a construção da Unidade de Internamento de Cuidados de Convalescença, num investimento de cerca de 400 mil euros (acresce 400 mil euros para 2021).

Ao nível da aquisição de equipamentos, o plano prevê o reforço de apetrechamento do Serviço de Imagiologia do HSA, com a compra de um angiógrafo, estimado em 861 mil euros, a aquisição de duas salas de raio-X, orçada em 307 mil euros (acresce 307 mil euros para 2021) e a aquisição de um ecógrafo, estimado em 98 mil euros.

Estão também contemplados a aquisição de equipamento médico-cirúrgico, orçado em 370 mil euros, a compra de equipamento informático, estimado em 100 mil euros, e de um Arco em C portátil com intensificador de imagem para o Bloco Operatório do HSA, com o valor de cerca de 100 mil euros.

“Congratulamo-nos com a inclusão do nosso plano de investimentos no Orçamento do Estado para 2020, o que nos permite intervir em várias áreas e unidades, de forma a podermos continuar a promover cuidados de saúde adequados e especializados aos utentes que nos procuram”, afirmou o presidente do Conselho de Administração (CA) do CHL, Licínio de Carvalho, numa nota enviada à Lusa.

Segundo o responsável, este financiamento vem “colmatar” muitas das “necessidades estruturais e físicas” do CHL, possibilitando “oferecer mais e melhores condições para continuar a prestar cuidados de qualidade”.

“É com muito entusiasmo que o CA irá desenvolver e garantir o exercício deste plano de investimentos que viabilizará a retoma do crescimento e da diferenciação do CHL, no seu conjunto: Leiria, Pombal e Alcobaça”, concluiu.

Os quatro deputados do PS visitaram hoje o HSA e reuniram com o CA do CHL para assinalar o plano de investimentos.

Raul Castro, um dos deputados do PS presentes, salientou a “importância da aplicação deste investimento na Saúde, e em especial, na área de influência do CHL, que agora pode continuar a crescer e a oferecer cuidados de saúde de excelência”, refere uma nota de imprensa.



2020-01-18

OURÉM_MUNICÍPIO LANÇA PROJETO-OURÉM MAIS BEBÉ

No âmbito do trabalho desenvolvido pelo Centro Comunitário de Voluntariado de Ourém, a autarquia promove agora o projeto “Ourém Mais Bebé” com o propósito de dar resposta às famílias cuja situação económica impossibilite o acesso a produtos de puericultura, refere o Município numa nota de imprensa.

Na dinâmica normal do Centro Comunitário de Voluntariado é comum receberem-se artigos de puericultura, nomeadamente carrinhos de bebé, ovos, cadeiras auto, muda fraldas, banheiras, cadeiras de refeição, espreguiçadeiras, esterilizadores, etc. Estes artigos apenas são usados durante um determinado período de tempo, logo, ao integrarem o projeto “Ourém Mais Bebé”, poderão ser cedidos a título de empréstimo a
famílias com carência económica, à semelhança do Banco de Ajudas Técnicas de Ourém já existente.

Este projeto e ainda segundo a nota de imprensa insere-se no âmbito das políticas de proximidade às famílias através de medidas concretas que permitam assegurar as necessidades de conforto e bem-estar das crianças, como é exemplo o programa de Apoio à Natalidade que em 2018 apoiou 188 famílias, num montante global de 121 490€.

O “Ourém Mais Bebé” destina-se a crianças dos 0 aos 3 anos que integrem agregados familiares em situação de vulnerabilidade socioeconómica e residência no concelho de Ourém. Com este projeto a Câmara Municipal pretende suprir as necessidades imediatas das crianças em situação de vulnerabilidade, potenciar o envolvimento de toda a comunidade e da rede de parceria interinstitucional no projeto e na identificação e encaminhamento de situações de carência, além de contribuir para uma maior eficácia da resposta social na melhoria das condições de vida dos
munícipes.

Podem candidatar-se aos apoios previstos no projeto “Ourém Mais Bebé” todas as pessoas/famílias que residam no concelho de Ourém e que se encontrem em pelo menos uma das seguintes situações: famílias beneficiárias do Rendimento Social de Inserção; famílias beneficiárias da Mercearia Solidária e/ou do Ponto de Partilha do Centro Comunitária de Voluntariado; famílias com menores que se encontrem no 1º escalão do Abono de Família; famílias com menores com processo ativo na CPCJ de Ourém, desde que a situação avaliada o justifique; famílias em que pelo menos um dos progenitores se encontre em situação de desemprego involuntário há pelo menos 3 meses; famílias monoparentais. O
pedido deverá ser submetido nas instalações da Câmara Municipal de Ourém, com o preenchimento do formulário disponível em www.ourem.pt e
a apresentação da documentação exigida no normativo do projeto “Ourém Mais Bebé”.

2020-01-14

SANTARÉM_URGÊNCIA DO HOSPITAL SEM ÁGUA QUENTE

O serviço de urgência do Hospital Distrital de Santarém (HDS) tem estado sem água quente nos últimos meses, mas a administração assegura que a reparação está agendada e que nenhum doente ficou privado dos cuidados de higiene.

Em resposta à Lusa, na sequência de denúncias de sinais de “exaustão” de auxiliares e enfermeiros deste serviço, por “já não suportarem ter de andar de trás para a frente com as cafeteiras elétricas” em que têm que aquecer a água para os cuidados de higiene aos doentes, o enfermeiro-diretor do HDS admite a existência do problema, tendo em conta que se trata de “uma estrutura antiga”, mas nega as dificuldades apontadas.

Sem adiantar há quanto tempo dura a avaria, João Formiga assegurou que a reparação “já está agendada, tendo sido condicionada pelas condições climatéricas”, e garantiu que “todos os doentes internados ou que tenham recorrido ao serviço de urgência, com necessidade de cuidados de higiene, fizeram-no, com recurso a água quente, nunca ficando essa situação
comprometida”.

A denúncia recebida pela Lusa, e confirmada por várias fontes hospitalares, afirma que o serviço de urgência do HDS está sem água quente “pelo menos há sete meses”, sendo que alguns dos profissionais contactados afirmaram que acontece “desde abril” de 2019, o que cria
constrangimentos, dado que o aquecimento tem sido feito com recurso a cafeteiras elétricas.

Por outro lado, algumas das fontes referiram que “chove” dentro das instalações das urgências, “nos corredores, gabinetes e triagem”, tendo que ser colocados baldes para amparar a água.

João Formiga adiantou que também esta situação tem agendada a reparação e que “nunca a segurança dos utentes ou dos profissionais foi comprometida devido a isso”.

“Todas as situações referenciadas foram monitorizadas e encaminhadas para resolução”, afirmou, acrescentando que diariamente procede a uma avaliação da situação naquele serviço, nunca lhe tendo sido relatado “nenhum caso de exaustão, pelo que esta situação não corresponde à
realidade”.

O enfermeiro-diretor salienta que “o cansaço dos profissionais é natural nesta altura do ano”, dado estar-se em Plano de Contingência, “tendo, contudo, sido reforçadas as equipas de enfermeiros e assistentes operacionais”.


2020-01-14